Saber lidar com adversidades é fundamental para o sucesso

13 de novembro de 2015 - 5 minutes read
Eduardo Moreira durante palestra. Ao fundo, a chefe da Divisão Sindical da CNC,

Crédito: Christina Bocayuva

A palestra que encerrou a manhã do último dia do Congresso Nacional do Sicomércio 2015 foi com o sócio fundador do Banco Brasil Plural, o economista e engenheiro Eduardo Moreira, que tem 17 anos de atuação no mercado financeiro. Moreira falou sobre suas experiências de vida e sobre a importância de não perder o foco e acreditar no que se faz. A palestra foi introduzida pela chefe da Divisão Sindical da CNC, Patrícia Duque.

“A crise é ruim, mas temos que sair da crise; e para isso, as pessoas que são formadoras de opinião, que fazem a diferença e têm algum tipo de poder têm que se aglutinar, como vemos aqui hoje. Mas só fazemos diferença se a vontade que vemos nesta sala não morrer aqui. Temos que levar com a gente a crença de que as coisas podem ser modificadas”, incentivou Eduardo.

Autor de diversos livros de motivação e auxílio empresarial, o especialista contou como superou um grave incidente na vida pessoal e como encontrou forças para escrever seu primeiro livro. Moreira também falou da inspiração que encontrou na obra O homem que ouve cavalos, de Monty Roberts, que fala da vida do autor e da técnica de treinamento de cavalos sem o uso da violência. Eduardo foi fazer o treinamento oferecido por Monty e difundiu o trabalho ao voltar ao Brasil.

Outra referência citada por ele foi Nuno Cobra, ex-preparador físico de Ayrton Senna, que usa conceitos do esporte para treinar executivos e auxiliou na recuperação de Eduardo em relação a seu acidente. “Com ele aprendi a importância da realização e de cinco letras capazes de operar um milagre na vida de qualquer pessoa e qualquer empresa: F, A, Z, E, e R – fazer. E não é fazer o difícil, é fazer o fácil. A gente quer mudar o País de uma vez, quer lucrar tudo em um negócio. Um passo de cada vez e sempre adiante é fundamental”, indica Eduardo.

Foi assim com a empresa que comprou, em sociedade, por R$ 60 milhões e que no período de um ano já valia R$ 600 milhões. Segundo ele, esse avanço foi feito tornando a vida dos colaboradores mais divertida, incentivando o trabalho dos vendedores com jogos, trazendo aula de teatro para a empresa, entre outras inovações. “A diversão não é antagônica ao compromisso. Você pode estar compromissado com o que faz e se divertir”, revelou o palestrante.

A partir do contato e da amizade com Monty e Cobra, Eduardo escreveu seu primeiro livro: Encantadores de Vidas. “Eu percebi que essas duas pessoas chegaram a uma conclusão que servia para a vida de todo ser humano e, em menos de um mês, escrevi um livro de 280 páginas”, contou. “O que a gente tem de mais importante para dar para a vida das pessoas é o nosso tempo. O livro era um pedaço do meu tempo que eu tinha para dar para as pessoas”. O lançamento da obra contou com a presença dos inspiradores de Eduardo Moreira, mas o livro não teve sucesso imediato. “Monty Roberts e Nuno Cobra vieram dar palestra no lançamento do livro, enchemos um auditório com mais de mil pessoas, e o livro não deu certo. Aí, tive que enfrentar o pior fracasso da minha vida, que foi enfrentar o quase sucesso.”

Mas pelo trabalho antiviolência realizado, Eduardo acabou recebendo uma condecoração da Rainha Elizabeth II em 2012, e a partir desse fato a mídia brasileira abriu as portas para sua história. “Meu livro se tornou o mais vendido do Brasil, lugar que ocupou por vários meses. Um tombo pode ser ruim, mas pode mudar nossas vidas; depende da nossa reação e da forma como lidamos com isso”, concluiu o palestrante.